Acrobático balde de água fria na primeira derrota serrana

Covilhã perde pela primeira vez esta época, em casa, frente ao Porto B. Golo da vitória dos dragões chegou em cima do final da partida
0
213

Depois das vitórias na Taça da Liga, e de dois triunfos e um empate no campeonato, o Sporting da Covilhã baqueou, pela primeira vez, esta temporada, no passado domingo, no Santos Pinto, frente ao Porto B. Uma derrota por 1-2 que impediu os serranos de subirem à liderança, aproveitando a derrota do Benfica B, baixando mesmo ao quinto lugar da tabela, com sete pontos. Para os dragões, foi o primeiro triunfo na prova.

O Covilhã entrou mais forte na partida, e ameaçou logo aos cinco minutos, num cabeceamento do possante Jô, após um canto, que passou por cima da baliza à guarda de Ricardo Silva. E o golo, chegou pouco tempo depois, aos 10 minutos, por Diogo Almeida. Cruzamento da esquerda, Jô, de cabeça, a dividir a bola com dois defensores contrários e esta a sobrar para a entrada da pequena área onde o avançado emprestado pelo Benfica só teve que fuzilar as redes contrárias. O Porto, contudo, não acusou o tento, e reagiu de imediato. Aos 13 minutos, o veterano Silvestre Varela, ao segundo poste, por pouco não emendou um cruzamento da esquerda para a baliza de Léo Navacchio, chegando um pouco atrasado, e um minuto depois, foi o guardião serrano a evitar melhor destino a um remate de Gonçalo Borges, na esquerda, desviando para canto.

Aos 20 minutos, Jean Filipe, de livre, atirou por cima, e sem perigo para a baliza dos nortenhos, que continuavam em busca do empate, que esteve perto de chegar aos 22 minutos. Perda de bola em zona intermédia por parte de Jorge Vilela, bola na esquerda, nos pés do virtuoso Gonçalo Borges, que remata, com a bola a sofrer um primeiro desvio em André Almeida, e um segundo na luva de Léo Navacchio, que em esforço desvia para a trave, com Souto, por um triz, a não chegar à recarga vitoriosa. O Covilhã tentou responder, aos 25 minutos, num remate de Ahmed, mas era o Porto B que estava por cima do jogo e que, com mérito, chegaria ao empate. Boa jogada, desenvolvida a partir da direita, com a bola a chegar a zona central onde Bernardo Folha, filho do técnico dos dragões, de pé esquerdo atirou forte e rasteiro, sem hipóteses para o guarda-redes brasileiro do Covilhã, ao minuto 27.

Leia artigo completo na edição papel do NC.

Comments are closed.