Centro de Actividades: sete anos de envelhecimento activo

1
501

“Abençoada a hora que a minha filha me disse para vir”. É assim que Ilda Ribeiro, 63 anos, resume as suas idas ao Centro de Actividades (Ativ’idades – CAI, situado no Centro Comercial (shopping) do Sporting. Um espaço de ajuda ao envelhecimento saudável, que celebrou, no passado dia 25 de Outubro, sete anos de existência.

A Tuna Médica da Universidade da Beira Interior (Tuna-MUs) deu início a uma tarde de festa que proporcionou aos utentes vários momentos musicais. Uma das surpresas da tarde foi o momento teatral onde foi recriado o grupo musical “Doce”. A tarde acabou com a actuação do grupo de cantares “Vozes do CAI”.

A vereadora da Câmara Municipal da Covilhã, Regina Gouveia, marcou presença nesta celebração e frisa que “a verdadeira esperança no amanhã melhor” está nos idosos. A autarca realça ainda que estas actividades são muito importantes para o bem-estar dos utentes, uma vez que “estimulam a mente, preservam a capacidade físico-motora e desenvolvem competências mais artísticas”.

Ilda Ribeiro, 63 anos, frequenta o espaço há quatro anos. Confessa que foi a filha que a inscreveu, inicialmente para participar nas aulas de teatro, que sempre foi uma paixão sua. Actualmente, Ilda faz parte de várias actividades que o centro proporciona, nomeadamente, ginástica, ioga, dança e cantares. “Somos uma família e isto é como uma segunda casa para nós” admite a utente, que não esconde a felicidade de pertencer a este grupo.

A felicidade de pertencer ao CAI é partilhada por Fernanda Lourenço, 77 anos. A utente frequenta o espaço “desde o dia em que abriu” juntamente com o seu marido e revela que é lá onde passam o tempo. Emigrantes em França durante 40 anos, admitem que se sentiram sozinhos quando regressaram a Portugal. Para Fernanda, não há actividade que não goste: “gosto de tudo, desde que saia de casa e que pense noutras coisas sem ser tristezas. Aqui eu esqueço tudo, e é por isso que eu adoro aqui estar”.

Fernanda Lourenço frequenta o espaço “desde que abriu”, junto com o marido

Texto completo na edição papel do NC.