Centro junta academia e sociedade para tornar o envelhecimento mais activo

AgeINFuture, com sede no UBImedical, pretende aproveitar sinergias entre quem faz investigação na área e os parceiros no terreno
0
277

Para encontrar respostas que proporcionem um envelhecimento mais activo e melhorem as capacidades física, cognitiva e social dos mais velhos, a Universidade da Beira Interior (UBI) juntou-se aos institutos politécnicos de Castelo Branco, da Guarda e de Viseu para aproveitar a investigação feita na área em cada uma das instituições e, em articulação com vários parceiros, testar e implementar medidas que melhores a vida das pessoas.

O Centro de Referência para o Envelhecimento Activo e Saudável do Interior Centro (AgeINfuture), coordenado pela neurologista Assunção Vaz Patto, tem sede no UBImedical e foi formalmente criado na quarta-feira, 15, numa cerimónia que contou com a presença da ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, para quem o “projecto é exemplar” pela “grande capacidade de cooperação”.

Segundo Assunção Vaz Patto, o AgeINfuture conta, desde Setembro, com 60 parcerias e desafia todas as entidades com interesse na área a juntarem-se, para potenciar o conhecimento, a troca de informações, de ideias e a testagem no terreno de soluções inovadoras.

A coordenadora do projecto destaca que os três distritos envolvidos estão numa região com baixa densidade, uma população muito envelhecida e em que o envelhecimento acontece de uma forma solitária e muito desapoiada, onde o isolamento social é uma realidade e o acesso aos cuidados uma dificuldade.

(Notícia completa na edição papel)

Comments are closed.