Covilhã agarra ponto após duas desvantagens em Mafra

Serranos estiveram a perder por duas vezes, mas lograram empatar, ainda na primeira parte
1
338

O Sporting da Covilhã voltou, pela sexta vez consecutiva, a não ganhar na II Liga, mas conseguiu, contudo, mais um ponto na luta pela manutenção, que deverá prosseguir até final da prova, ao empatar a duas bolas em Mafra, em jogo da 30ª jornada do campeonato.

Num jogo emotivo, e muito bem jogado na primeira parte, os golos surgiram todos durante esse período. O Mafra entrou melhor e logo aos três minutos, num remate fora da área, Andrezinho ameaçou Leo Navacchio pela primeira vez, rematando um pouco ao lado. A resposta do Covilhã surgiu de bola parada (capítulo em que os serranos se revelaram sempre muito perigosos), num livre de Jean Filipe, aos sete minutos, que Godinho afastou, a punhos, da sua área. Aos 11 minutos, o golo inaugural. Boa jogada de envolvimento pelo corredor central, com Abel Camará, à entrada da área, a desferir um potente remate que não deu hipótese a Leo Navacchio, bem junto ao poste esquerdo da baliza covilhanense. Só que, dois minutos depois, o Covilhã respondeu. E com o golo do empate. Livre de Jean Filipe, na direita, cruzamento para a área onde Jaime, por três vezes, ganhou a bola que, junto à linha final, cruzou para o outro central covilhanense, André Almeida, encostar para o fundo das redes.

O jogo era de parada e resposta, com as duas equipas à procura do golo, que voltou a surgir para a equipa da casa, aos 22 minutos. Boa jogada de Abe Camará, que descobre, vindo detrás, Carlos Daniel na direita do ataque, cruzamento rasteiro para Andrezinho, à boca da baliza, enviar para o fundo das redes. Aos 35 minutos, o mesmo jogador, em posição privilegiada, na área, desperdiçou a oportunidade de fazer o terceiro, enviando a bola muito ao lado, algo que Wendel (pela segunda vez titular e a deixar boa impressão) não fez, ao minuto 38, talvez naquela que foi a melhor jogada dos serranos ao longo dos 90 minutos. O avançado brasileiro, a meio do meio campo contrário, recuperou uma bola, tabelou com Jean Filipe que na direita cruzou muito bem para Wendel, na pequena área, concluir com êxito. Ao intervalo, a igualdade a duas bolas justificava-se.

Expulsão para o Mafra

Na segunda parte o jogo perdeu um pouco da espetacularidade do primeiro tempo. As equipas encaixaram uma na outra e já não permitiram tanta veleidade aos ataques contrários. Mas a melhor ocasião pertenceu aos serranos, quando aos 61 minutos, o guardião do Mafra, Godinho, safou o terceiro com excelente defesa aos pés de Enoh. Aos 69 minutos, Leo Navacchio, com uma grande defesa, negou o golo a Gui Ferreira, após potente remate do lateral do Mafra, e um minuto depois, nova defesa atenta a remate traiçoeiro de Nun Campos.

Até final, já foram raras as ocasiões de golo (a registar apenas um remate que Leo defendeu a dois tempos), apesar dos “Leões da Serra” jogarem com mais uma unidade desde o minuto 76, depois de Kaká, em três minutos (entrou aos 73) ter visto dois amarelos e respectivo cartão vermelho. Tempo para José Bizarro estrear o ganês Hannan, num jogo em que o Covilhã saca um ponto para se manter com cinco pontos acima da linha de água, embora baixando ao 14º lugar, após a vitória do Académico de Viseu sobre o último, Porto B, que permite aos viseenses ultrapassarem os covilhanenses.

No final, Bizarro lembrou que após uma derrota, e com cinco jogos (agora seis) sem vencer, um ponto “é melhor que nada” na luta que os serranos terão que manter até final. O próximo capítulo é no domingo, 2 de Maio, quando o Sporting da Covilhã receber o Leixões, no Santos Pinto. O jogo é às 16 horas. A equipa de Matosinhos ocupa a décima posição, já com uns mais tranquilos 36 pontos, contra os 32 dos serranos.