Festival da Cherovia regressa com o pastel covilhoco como novidade

Evento decorre entre 22 e 25 de Setembro, no Centro Histórico, e conta com cerca de 60 expositores
0
685

Depois de dois anos suspenso, devido à pandemia, o Festival da Cherovia volta a realizar-se, entre 22 e 25 de Setembro, no Centro Histórico, com cerca de 60 espaços dinamizados, mais animação e a apresentação do covilhoco, um novo pastel de massa folhada com recheio de cherovia.

A 15.ª edição do evento volta a ter lugar nas ruas atrás da Câmara Municipal da Covilhã e o director da Banda da Covilhã, uma das entidades promotoras, Eduardo Cavaco, sublinhou hoje, durante a apresentação, que o Festival da Cherovia “é único e tem sempre muitas novidades para apresentar”, referindo-se às múltiplas formas de cozinhar a raiz típica da Cova da Beira, mas também à animação oferecida nos palcos estáticos e pelas ruas.

Nos quatro dias, o responsável espera a visita de “50 a 60 mil visitantes”, cerca de 15 mil na primeira noite, uma quinta-feira académica a pensar na ligação à comunidade estudantil.

O vereador José Miguel Oliveira destacou o “trabalho em conjunto”, que permite “grandes eventos”, salientou que o Festival da Cherovia já é um marco no calendário de eventos do concelho e espera ver o certame crescer.

O autarca afirmou “ter fé” que o evento “venha a ser um cartaz regional e nacional”. “Esta é uma marca que é nossa, faz sentido que seja aprofundada”, vincou José Miguel Oliveira.

 

Além do “ex-líbris” desta edição, o covilhoco, produzido pela Padaria da Ramalha, 21 restaurantes aderentes à iniciativa cherovia no prato vão apresentar ementas confecionadas à base de cherovia, com novas formas de consumir a pastinaca.

José Eduardo Cavaco frisou que a cherovia era um produto tradicional que estava esquecido, mas, desde a criação do Festival da Cherovia, a produção no concelho passou de uma “produção residual” de cerca de seis toneladas para as actuais “20 toneladas, e com tendência a crescer”, até porque foram surgindo produtos associados e mais estão para ser comercializados.

Durante os quatro dias do evento está prevista a utilização de cerca de duas toneladas de cherovia.

Nas zonas de Santa Maria e Portas do Sol, epicentro da festa, foi duplicado o número de artistas, quase todos “da terra”, com o intuito de mostrar os talentos locais, de acordo com Eduardo Cavaco.

Na área onde vai decorrer o Festival da Cherovia, à semelhança das últimas edições, o património também vai ser valorizado, com vários espaços históricos abertos aos visitantes.

A 15.ª edição do Festival da Cherovia está orçada em cerca de 20 mil euros e é organizada pela Banda da Covilhã, Desertuna e Covilhã Eventos, com o apoio da Câmara da Covilhã e do INATEL.

Comments are closed.