Hotel Turismo da Guarda pode abrir até final de 2025

Memorando entre a Enatur e Turismo de Portugal está assinado. Edifício vai ser reabilitado e, para o ministro da Economia, António Costa Silva, pode atrair mais actividade turística à Guarda. Autarca local espera que esteja pronto a receber clientes daqui a dois anos
0
148

O ministro da Economia, António Costa Silva, considerou na passada sexta-feira, 20, que o Hotel Turismo da Guarda, que vai ser integrado na rede de Pousadas de Portugal para reabilitação e exploração, é “uma das joias” para o desenvolvimento do turismo.

“O Hotel de Turismo da Guarda é uma das joias da arquitectura portuguesa. É uma das joias da arquitectura que foi desenvolvida em termos da infra-estrutura para as Pousadas, para o desenvolvimento do turismo, para a atração da actividade turística” disse o governante na cerimónia de assinatura de um memorando entre a Enatur e o Turismo de Portugal e de apresentação do modelo para reabilitação do Hotel Turismo, que vai ser integrado na rede de Pousadas de Portugal.

Na Guarda, António Costa e Silva disse que o Governo tem o “dever de honrar e de transfigurar o projecto (do hotel), que o arquitecto Vasco Regaleira deixou, que foi concebido em 1936, que existe há 75 anos, que serviu múltiplas gerações na Guarda e no País”. O governante acrescentou que o hotel “é um repositório de histórias, de encontro, de discussões, de definição de políticas e ele, com certeza, vai formatar isso para o futuro” e funcionar como um “dínamo de atracção dos turistas”.

Por sua vez, o presidente da Câmara Municipal da Guarda, Sérgio Costa, disse que este é “o início de um caminho longo”, cujo desafio final será abrir as portas do hotel ao público “até ao final do ano de 2025”. “Temos a absoluta certeza e a confiança de que o Hotel Turismo será um investimento de futuro e de sucesso, mais que garantido”, disse.

E acrescentou: “A Guarda é porta de entrada para a Serra da Estrela e da nossa vizinha Espanha. Turisticamente possuímos um enorme potencial que começou finalmente a alavancar com os Passadiços do Mondego, com a monumentalidade do seu vale, cuja beleza e grandiosidade, atrai milhares de turistas de Portugal e do mundo”.

Sérgio Costa sublinhou, ainda, que os Trilhos do Noeme e a futura rede de museus temáticos, entre outros projectos que a autarquia está a implementar, “serão polos de atracção que irão proporcionar experiências únicas e inesquecíveis”, aos turistas que visitarem o território.

Na sessão, a ministra do Trabalho e da Solidariedade Social, Ana Mendes Godinho, referiu que a integração do Hotel Turismo na rede de Pousadas de Portugal é “a melhor solução” para o imóvel. A governante também lembrou que quando desempenhou as funções de secretária de Estado do Turismo, o hotel da Guarda foi um dos imóveis que inspirou o Governo a construir o Programa Revive.

Por sua vez, o secretário de Estado do Turismo, Comércio e Serviços, Nuno Fazenda, referiu que com o passo agora dado, o Governo está a concretizar um projecto “muito importante para a Guarda” e para a região da Serra da Estrela.

Rui Mota, presidente do Conselho de Administração da ENATUR, considerou que a solução é a melhor para a requalificação do imóvel e Teresa Monteiro, vice-presidente do Turismo de Portugal, sublinhou que com a integração nas Pousadas de Portugal, a unidade hoteleira “vai ganhar escala”.

O edifício do Hotel Turismo da Guarda foi vendido em 2010, pela Câmara Municipal, então liderada pelo autarca socialista Joaquim Valente, ao Turismo de Portugal, por 3,5 milhões de euros, para ser recuperado e transformado em hotel de charme, com escola de hotelaria, mas o projecto não saiu do papel e o imóvel está de portas fechadas e a degradar-se. O hotel, inaugurado na década de 1940, foi a primeira unidade hoteleira da cidade mais alta do País.

Comments are closed.