Idanha-a-Nova quer mais médicos

Assembleia Municipal aprova moção em que pede reforço de serviços
0
148

A Assembleia Municipal de Idanha-a-Nova reivindicou, em moção, o reforço dos serviços médicos e administrativos no centro de saúde e extensões de saúde do concelho, de modo a garantir as necessidades das populações.

Em comunicado, o município de Idanha-a-Nova refere que a moção apresentada pelo grupo municipal do PS foi aprovada por unanimidade.

No documento, a Assembleia Municipal de Idanha-a-Nova “reivindica junto do actual Governo e da Administração da ULSCB [Unidade Local de Saúde de Castelo Branco] o reforço dos serviços médicos e administrativos no centro de saúde e extensões de saúde, sitas no concelho de Idanha-a-Nova, no sentido de garantir uma resposta de qualidade às necessidades das populações”. A Assembleia defendeu também que a prestação de cuidados de saúde por parte do Serviço Nacional de Saúde “deverá ser ainda desenvolvida em articulação estratégica com a Câmara Municipal de Idanha-a-Nova e as Juntas/Uniões de Freguesia”.

A Assembleia Municipal realçou que a escassez de médicos de família é um problema transversal a todo o País, “mas que urge resolver”. E disse ainda entender que o município e as restantes autarquias tiveram sempre um papel proactivo nas questões relacionadas com a saúde e têm sido determinantes para o SNS manter em funcionamento o centro e extensões de saúde no concelho, assegurando instalações, manutenção e limpeza dos espaços, recursos humanos e materiais. “Têm sido transmitidas de forma atempada pela Câmara e Juntas/Uniões de Freguesia à ULSCB as necessidades ao nível de médicos, administrativos, equipamentos e infraestruturas de saúde”, sustentaram os deputados municipais.

“A estratégia da Câmara Municipal de Idanha-a-Nova no domínio da saúde é e será sempre entendida como um apoio de colaboração e parceria com a ULSCB, não podendo nunca ser entendida como intervenção substitutiva da missão e obrigação da ULSCB”, concluíram.

A moção foi enviada para o primeiro-ministro, António Costa, ministra da Saúde, Marta Temido, e presidente do Conselho de Administração da ULSCB, José Nunes.

Comments are closed.