Jorge Fael é o candidato da CDU à Câmara

Sociólogo,51 anos, é o terceiro candidato conhecido na corrida à autarquia
1
441

O sociólogo Jorge Fael é o candidato da CDU à Câmara da Covilhã, apresentando-se com “um projecto virado para o futuro” e com o objectivo de ajudar a construir um concelho “mais qualificado, mais justo e mais coeso”.

“O que propomos, e que temos vindo a propor ao longo destes últimos anos, é construir um concelho mais qualificado, mais desenvolvido, mais justo e mais coeso”, afirma Jorge Fael em declarações à agência Lusa

Com 51 anos, natural da Covilhã, o candidato é membro do PCP, integra a Assembleia de Freguesia da União de Freguesias da Covilhã e Canhoso e desempenha funções no Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Administração Local e Regional, sendo também presidente da associação “Água Pública”. A lista da CDU contará ainda com o professor Vítor Reis Silva, 63 anos, como cabeça de lista à Assembleia Municipal.

Jorge Fael salienta o “importante” património que a CDU tem no quadro do poder local, bem como o facto de ter um projecto de realização “virado para o futuro”, assente na “realidade e nas enormes potencialidades do concelho” “É um projecto virado para o futuro, numa perspectiva transformadora, de melhoria das condições de vida da população, de quem trabalha e reside no concelho da Covilhã. Um projecto que, no fundo, visa concretizar aquilo que são os anseios e as expectativas de qualquer um de nós”, diz, enumerando o “direito ao trabalho com direitos, à habitação, à mobilidade, à cultura e ao lazer”. O candidato defende ainda que a Covilhã deve manter uma relação de proximidade com os territórios vizinhos e frisa que tal poderá contribuir na hora de reivindicar junto do poder central a concretização das aspirações regionais.

Se for eleito promete dar voz a questões como a criação das regiões administrativas, a necessidade de revisão do financiamento do Ensino Superior – que, até agora, tem mantido a Universidade da Beira Interior “duplamente subfinanciada” – ou à reivindicação pela concretização do IC31 e do IC6, e à questão do fim das portagens nas antigas SCUT [vias sem custos para o utilizador]. Jorge Fael propõe ainda rever a questão da transferência de competências, por considerar que é “um erro”, que a Covilhã tem “estado a abraçar alegremente”.

Depois de, em 2017, a CDU ter perdido o vereador que tinha no Município da Covilhã, Jorge Fael promete lutar pelo “melhor resultado possível” e garante que está preparado para assumir “qualquer responsabilidade” que os covilhanenses entendam conferir-lhe.

Na Covilhã também já foram anunciadas as candidaturas de Pedro Farromba (coligação CDS-PP/PSD) e do escritor João Morgado, que disse que irá protagonizar uma “candidatura cívica”.

Actualmente, a Câmara da Covilhã é liderada pelo socialista Vítor Pereira, que foi reeleito em 2017, conquistando cinco dos sete mandatos possíveis. O CDS-PP e o movimento independente “De Novo Covilhã” elegeram um vereador cada.