Luís Correia tem concorrência de seis ao lugar que perdeu em 2020

Em Castelo Branco, são sete os candidatos à liderança da autarquia. Entre eles, Luís Correia, que perdeu o mandato em Julho de 2020 e não foi a escolha do PS para estas eleições, apostando antes em Leopoldo Rodrigues. No PSD, que aposta em João Belém, a escolha também não foi pacífica
1
221

Depois de quatro anos de governação socialista, primeiro com Luís Correia, e depois, com José Augusto Alves (que decidiu não avançar), Castelo Branco terá este ano sete possíveis escolhas para ganhar a autarquia que, em 2017, foi conquistada por… Luís Correia, pelo PS, e que agora volta a concorrer, mas como independente.

Na cidade albicastrense, desde 1997 que a autarquia é liderada pelos socialistas. Na altura, Joaquim Morão, que até então tinha governado o concelho de Idanha-a-Nova, destronou do poder o PSD, de César Vila Franca, com a hegemonia “rosa” a manter-se durante muitos anos. Após a saída de Morão, em 2013, foi Luís Correia que ganhou a Câmara pelo PS, mantendo as maiorias absolutas que até então o PS havia conquistado. Em 2017, Correia voltou a ganhar, só que, acabou por não terminar o mandato. O autarca perdeu o mandato, decretado pelo Tribunal Constitucional, em Julho de 2020, depois de decisões do Tribunal Administrativo e Fiscal de Castelo Branco e do Supremo Tribunal Administrativo, por o autarca ter assinado, na qualidade de presidente da Câmara, dois contratos com uma empresa detida pelo seu pai. Contudo, em Fevereiro de 2021, o Tribunal de Castelo Branco absolveu Luís Correia, que estava acusado de prevaricação em coautoria com dois empresários, um deles o seu pai. O ex-autarca socialista decidiu abandonar a militância do partido e avançar agora com uma candidatura independente, encabeçando a lista do “Sempre- Movimento Independente”. Caso ganhe, apenas poderá cumprir mais estes quatro anos, já que apenas é permitida a eleição para três mandatos consecutivos no mesmo concelho. Pelo PS, o candidato será o actual presidente da Junta de Freguesia da cidade, Leopoldo Rodrigues.

Pelo PSD avança João Belém, um nome que também não foi consensual, uma vez que a concelhia “laranja” tinha escolhido o seu líder, Carlos Almeida, no que não passou na direcção nacional do partido.

Em Castelo Branco, o Chega aposta em Rui Paulo Sousa, um empresário de 53 anos, que está apostado em obter pelo menos um vereador, a CDU avança com Felicidade Alves, o Bloco de Esquerda com Margarida Paredes e o MPT- Movimento Partido da Terra aposta em Rui Amaro Alves.