Os covilhanenses escolheram quem querem que os represente

Para o concelho da Covilhã, haverá tão só o forte desejo de que, religiosamente, se venham a cumprir as promessas feitas
0
133

João de Jesus Nunes

As eleições autárquicas constituem sempre um importante momento de clarificação das vontades das populações. Nestas eleições, escolher um candidato não estava tão dependente das simpatias partidárias, como na generalidade acontece nas eleições legislativas. Outros fatores surgiram como as propostas, ideias e o trabalho já efetuado, para resolver problemas concretos que afetam os territórios onde se inserem, neste caso, o concelho da Covilhã.

Todos os quatro candidatos (eram cinco, mas o do CHEGA nada adiantou, e foi desaparecendo) se confrontaram entre si com nobreza de caráter ainda que em determinados momentos houvesse situações naturalmente um pouco acirradas. O que é certo e verdade, numa noite eleitoral renhida, mas ordeira, aguardaram-se sempre com enorme expetativa os resultados finais. Havia que contar o número de vereadores que poderiam tombar para um lado ou outro, daí se inferindo na possibilidade de poder resultar numa maioria absoluta para a Câmara da Covilhã, na pessoa do presidente reeleito, Vítor Pereira – o que veio a verificar-se, com 46,18% na votação –, ou então com a entrada dum vereador para a CDU, o qual foi pena não ter sido eleito, dada a forte tenacidade de Jorge Fael.

Também Pedro Farromba que efetuou uma forte campanha e se muniu de hábeis pessoas para a sua equipa, conseguiu ser eleito forçando o Partido Socialista a sofrer até quase ao último minuto, já passava da meia-noite. Pode ser, mais uma vez, uma boa contribuição para os destinos que a cidade laneira e universitária bem necessitam. Daí a sua grande influência que teve nos resultados para a Câmara Municipal e nas Juntas de Freguesia.

Quanto ao candidato do movimento independente “Covilhã tem força”, João Morgado, os seus resultados eleitorais ficaram aquém das suas expetativas.

Resta-nos a reeleição de Vítor Pereira, pela segunda vez com maioria absoluta, sinal de que os covilhanenses também estão atentos ao trabalho efetuado, e não se deixam ludibriar pelos momentos que fazem agitar as águas.

De notar a quantidade de independentes que ganharam para as Juntas de Freguesia, grande sinal de cidadania.

Concluído o ato eleitoral donde emergiram as pessoas que a maioria quis nos representassem nestes próximos quatro anos, para o concelho da Covilhã, haverá tão só o forte desejo de que, religiosamente, se venham a cumprir as promessas feitas, e não se dissipe aquela qualidade de quem não tem nada a esconder – a transparência.

Aceitar os que democraticamente foram a maioria da escolha dos covilhanenses é uma atitude nobre se também na sublimidade de esquecer as intrigas do passado, na permuta do dar as mãos em prol das muitas tarefas que há a fazer.

Parabéns aos que os covilhanenses quiseram que subissem ao pódio e também aos que se mantiveram no palanque da seleção deste campeonato autárquico. Compreensão para com os não eleitos.

Comments are closed.