Plano de actividades da Empresa Municipal de Belmonte criticado

Oposição na Assembleia Municipal considera que plano nada traz de novo e é pouco ambicioso
0
285

A Assembleia Municipal de Belmonte tomou conhecimento, na sua última reunião, do orçamento e plano de actividades da Empresa Municipal de Promoção e Desenvolvimento Social do Concelho (EMPDS), mas com várias críticas da oposição sobre o documento.

Telma Matos, deputada do PSD, classifica o plano de “fraco e sem ambição”, que “não apresenta nada de novo”, de uma empresa que “depende da Câmara”. A deputada lembra qual a designação da mesma para reivindicar mais trabalho em áreas que não apenas a gestão dos museus do concelho. “A empresa deveria era apostar em ajudar, por exemplo, o comércio local, e não fazer concorrência com produtos de merchandising que vende nos museus. Mas é uma empresa que está estagnada” aponta.

Tiago Gaspar, da mesma bancada, diz que as actividades desenvolvidas são “limitadas”, reclamando uma “maior diversificação”, de modo a que a sua sustentabilidade não esteja apenas assente “na venda de bilhetes para os museus”.

Já a CDU, através de Rosa Coutinho, lembrou que, desde sempre, o partido não concordou com a criação da empresa e reclama que esse trabalho seja feito directamente pela autarquia.

Os deputados votaram também a minuta de contrato entre a empresa e a autarquia, para 2022, que foi aprovado por maioria, com voto contra da CDU, e o estatuto remuneratório dos membros do Conselho de Administração da empresa, aprovado pela maioria PS, e votos contra da CDU e PSD.

Rosa Coutinho voltou a vincar que a empresa, e seu pessoal, “deveriam estar integrados na autarquia”. Já Tiago Gaspar, do PSD, diz que não consegue encontrar “justificação” para os valores em causa, ou seja, cerca de 33 mil euros.

Comments are closed.