Plataforma da A23 e A25 marca Assembleia Cívica para Novembro

Movimento quer que até ao final da legislatura sejam repostas as SCUT’s na Beira Interior
1
467

A Plataforma P’la Reposição das Scut A23 e A25 agendou uma Assembleia Cívica para o dia 22 de Novembro, na Guarda, para solicitar que as suas propostas sejam incluídas no Orçamento do Estado (OE) de 2022.

Segundo Luís Garra, a Assembleia Cívica P´la Reposição das SCUT´s no Interior será realizada às 15 horas, na cidade mais alta do País, em local a designar, “com convite aos grupos parlamentares, ao conselho geral da Plataforma, aos autarcas, aos empresários, trabalhadores e população em geral”. A iniciativa será para os participantes sensibilizarem “a Assembleia da República no sentido de viabilizar/aprovar” a sua proposta no OE de 2022, que “não contempla coisa alguma” sobre as reivindicações da plataforma. Caso o OE para 2022 seja chumbado na Assembleia da República, o responsável diz que “não acaba o mundo, nem o País deixa de existir, nem deixa de ser governado” e as propostas “vão-se manter em cima da mesa”.

Na conferência de imprensa realizada nas instalações do NERGA – Associação Empresarial da Região da Guarda, Luís Garra também anunciou outros passos que a Plataforma P’la Reposição das Scut A23 e A25 vai dar nos próximos tempos. “Vamos reforçar a posição junto do primeiro-ministro, ministro das Finanças, ministro das Infraestruturas e Habitação e ministra da Coesão Territorial, [a] reafirmar a nossa exigência de correção da Portaria [nº138-D/2021 que regulamentou a redução dos preços das portagens] e lembrar as propostas que fizemos que são, como sabem, isenção para os residentes, redução de 50% para todos os veículos automóveis e o compromisso de reposição completa das SCUT’s até ao final da legislatura”, disse.

A plataforma também vai pedir reuniões aos grupos parlamentares, com quem ainda não reuniu, para discutir as propostas para novas reduções do preço das portagens e solicitar uma audiência à comissão parlamentar de Orçamento e Finanças. Foi, ainda, decidido pedir reuniões às Comunidades Intermunicipais da Beira Baixa e das Beiras e Serra da Estrela.