PSD pede a João Casteleiro que ponha lugar à disposição

Em causa contratação de enfermeiro que acusou positivo para covid-19
0
678

O PSD da Covilhã exigiu ontem que o presidente do Centro Hospitalar Cova da Beira coloque o lugar à disposição.

“Não resta alternativa à Comissão Política do PSD Covilhã senão solicitar um esclarecimento cabal de toda a situação e pedir ao Dr. João Casteleiro que coloque o seu lugar de presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar Universitário da Cova da Beira à disposição da tutela, assumindo assim as consequências de um acto negligente”, refere o PSD em comunicado.

A posição do PSD surge depois de o jornal Expresso ter publicado, na terça-feira, a notícia com o título: “Enfermeiro que chegou à Covilhã vindo do Reino Unido foi trabalhar sem ser sujeito a testes”. A notícia, que citava fonte hospitalar, dava conta de que este enfermeiro foi o único contratado que não realizou teste, exame só terá sido feito depois do “alerta de um especialista médico para a delegada de saúde” e que veio a acusar positivo.

O Centro Hospitalar Universitário Cova da Beira (CHUCB) já veio garantir que “o profissional de saúde em causa foi admitido na instituição, cumprindo todas as normas e orientações da Direcção Geral da Saúde”. “No momento da sua admissão, e até hoje, não evidenciou qualquer sintoma que indicasse alguma patologia, nomeadamente covid-19, nem informação qualquer de exposição àquela doença. Foi numa acção de rastreio, orientada pelo serviço de Higiene e Segurança no Trabalho a todos os profissionais que são admitidos, que foi detetada a positividade para covid-19”, aponta o CHUCB em nota de imprensa. Esta unidade de saúde sublinha ainda que, após o resultado do teste, “adoptou todos os procedimentos que constam no plano de contingência para covid-19” e que todos os contactos deste estão a ser rastreados e testados.

Já o PSD considera que o caso resulta de “negligência” e sublinha que espera que “não venha a pôr em risco as vidas daqueles que diariamente têm lutado não só pelo cuidar de vidas, mas principalmente contra a falta de material e equipamentos, o mesmo material e equipamento que o primeiro-ministro assumiu não faltar”.

Numa exposição em que sublinha a “incredulidade e estupefação” perante o ocorrido, o PSD lembra que o presidente do Conselho de Administração, João Casteleiro, é também presidente da Assembleia Municipal da Covilhã e reitera a necessidade de um pedido de demissão. “Temos ouvido, nos últimos tempos, demasiadas vezes a expressão ‘Não se demitem generais em tempo de guerra’. Infelizmente, esta situação demonstrou que é o próprio general que, em tempo de guerra, não conseguiu dar conta do recado”, aponta aquele partido.

 

Comments are closed.