Quem não marca põe-se a jeito

Covilhã perde no terreno do último, Porto B, num jogo que dominou e em que criou muitas oportunidades
1
149

O Sporting da Covilhã perdeu no domingo, por 2-1, frente ao Porto B, último classificado da II Liga, em jogo da 25ª jornada, em que os serranos apenas se podem queixar da sua falta de eficácia, já que dominaram quase sempre a partida, criaram oportunidades de golo, mas acabaram por ser menos concretizadores que os nortenhos.

A equipa de Folha, a precisar de pontos para escapar à descida, apareceu reforçada por três elementos da equipa A: Romário Baró, Fábio Vieira e Evanilson. E a verdade é que todos eles tiveram influência directa no resultado.

Após dez minutos de algum domínio azul e branco, o “Leão da Serra” tomou conta do jogo e começou a criar perigo. Aos 14 minutos, após jogada de insistência pela direita, Gilberto cruza e descobre sozinho ao segundo poste Jorge Vilela, que a dois palmos da baliza cabeceia para as mãos do guardião Ricardo Silva. E nos minutos seguintes, Gleison, por duas vezes, e Deivison, tiveram soberanas oportunidades de colocar os serranos em vantagem, que já justificavam, mas faltou eficácia. Os “dragões” foram reagindo, ameaçaram Leo Navacchio por duas vezes, por Gonçalo Brandão e Carlos Gabriel, e aos 33 minutos marcaram mesmo. Jogada na direita, cruzamento para a área onde Romário Baró domina no peito, fura entre os defesas e com toque subtil serve o brasileiro Evanilson, que com um remate cruzado atira a contar. Até final da primeira parte, destaque para novo golo de Evanilson, anulado por alegado fora de jogo de João Marcelo.

Penálti decide

No segundo tempo, os serranos voltaram do balneário com vontade de alterar o rumo dos acontecimentos, e logo no minuto inicial, o recém-entrado Bernardo Martins descobre Jean Filipe na direita, que remata para grande defesa de Ricardo Silva. Só que, aos 54 minutos, os azuis e branco iriam marcar de novo. Passe em profundidade para Daniel Loader que, à entrada da área, é tocado por Jaime Simões (fica a dúvida se dentro ou fora). Grande penalidade transformada com êxito por Fábio Vieira.

José Bizarro, de uma assentada, trocou três elementos, apostando mais “fichas” no ataque, e o Covilhã voltou a tomar conta do jogo. Bernardo Martins, aos 64 minutos, proporcionou defesa atenta ao guardião contrário, e aos 70 minutos, foi Gleison, de cabeça, a ter oportunidade flagrante para facturar, mas a atirar por cima após excelente cruzamento de Tiago Moreira. Golo que chegaria mesmo aos 77 minutos, quando, de cabeça ao primeiro poste, Filipe Cardoso correspondeu da melhor maneira a um bom cruzamento de Leo Cá. Até final, o Covilhã, já sem grande discernimento, tentou de forma mais directa chegar à baliza adversária, mas sem sucesso, com Leo Navacchio, na parte final, a fazer ainda mais uma grande defesa a remate de Folha (Bernardo, filho do treinador).