Teatro Universitário para ver na cidade

0
354

Arrancou na quinta-feira, 17, pelas 21:30, no anfiteatro das sessões solenes da UBI, o 26º Ciclo de Teatro Universitário da Beira Interior, o mais antigo do País, organizado pelo TeatrUBI e Asta.

Durante dez dias são nove os espectáculos, por oito companhias, de Portugal e Espanha, amadoras e profissionais, que pode ver, havendo ainda um dia inteiramente dedicado ao cinema que se faz na UBI, num ciclo orçamentado em cerca de 25 mil euros e em que as receitas angariadas (cada espectador dá o que quer, sendo desafiado a levar produtos) serão destinadas à ajuda humanitária na Ucrânia. “Face à actual situação, é nossa missão também intervir” frisa Sérgio Novo, da Asta.

Hoje, quinta-feira, 17, sobe ao palco “Tirava-te a dor e ficava com ela”, a nova peça do TeatrUBI e ASTA, que é repetida no dia seguinte (18). Um espectáculo que conta com seis alunos da UBI, dois deles brasileiros, que começou a ser preparado em Novembro e que segundo o encenador, Rui Pires, “não é uma peça de teatro convencional, como é já hábito no que faço. É uma mistura de várias artes, num espectáculo muito visual que tem pouco texto e está cheio de metáforas” assegura.

No dia seguinte (19), à mesma hora, a vez do Zig Zag Danza, de Gijón (Espanha), uma das três companhias que pela primeira vez actuam na Covilhã (a par com o Maltravieso de Cáceres e a Bruxa Teatro de Évora), apresentar “Formas”. No domingo, 20, os espanhóis do Maltravieso de Cáceres apresentam “Medea la deriva” e na segunda-feira, 21, o NNT- Novo Núcleo de Teatro, da Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade Nova de Lisboa, apresentar “Simbiose”.

No dia 23, o TEUC- Teatro dos Estudantes da Universidade de Coimbra, leva a palco “O Inspector Geral”, no dia seguinte (24) os já habituais Maricastaña de Ourense, Espanha, apresentam “O parque do Crepúsculo” e os também espanhóis Arte 4, de Madrid, no dia 25, avançam com “La danza del futuro”. A Bruxa Teatro de Évora apresenta, dia 26, “A curiosidade dos anjos” e no dia 27, dia de fecho do festival, em que será lida a mensagem do Dia Internacional do Teatro, às 18 horas (é o único espectáculo a esta hora), a ASTA leva ao palco “Matéria”.

Pelo meio, a 22 (uma terça-feira), o festival dedica uma noite às produções de cinema da UBI, com várias películas, com “Esfera”, “A paragem”, “Da Capo”, “Teus braços, minhas ondas” e “Fidalga”. “O objectivo é mostrar aquilo que se faz na cidade” justifica Rui Pires.

Comments are closed.