Teixoso serviu mais de 700 caldos no forno

Prato típico da vila foi objecto de festival, no passado fim-de-semana, que já não se realizava há alguns anos
0
359

Rui F.L.Delgado

Recuperar uma tradição da vila, que já não se realizava desde 2018. No passado domingo, a prova do prato típico do Teixoso, a caldo do forno, foi um dos objectivos traçado pela organização da Festa do Caldo do Forno, a cargo da ADETEIXO, uma associação local.

O caldo do forno foi degustado durante todo o fim-de-semana (sábado, 7, ao jantar e domingo, 8, ao almoço) na Praça D. Afonso Henriques, que fica bem ao lado da igreja matriz. “Foram servidos mais de 700 doses de caldo do forno. E estimamos que estiveram aqui nestes dois dias, cerca de duas mil pessoas” garante Francisco Santos, presidente da ADETEIXO.

Em termos musicais, a festa desenrolou-se no Adro da Igreja. No sábado actuaram os “Rosa Negra Band” e no domingo “Jerónimo e os Cromagnon”.

O evento, este ano, contou com a colaboração do Agrupamento 153 de Teixoso, pela primeira vez, no âmbito da celebração dos 60 anos de existência no Teixoso, e ainda com os apoios do Município da Covilhã e União de Freguesias Teixoso Sarzedo.

O certame contou com jogos tradicionais, insufláveis, animação de rua, música, artesanato e workshops de confecção do caldo do forno e de sobremesas tradicionais (papas de carolo e arroz doce).

O caldo do forno é uma iguaria gastronómica composta por arroz, grão e carnes de porco menos nobres que vão cozinhando lentamente num forno de lenha durante 12 a 16 horas e com algum enchido. Esta tradição secular vem desde os tempos dos fornos comunitários.

No domingo, a azáfama já era muita. E a ânsia da espera já se reflectia nos rostos dos apreciadores. Pouco depois do final da missa dominical, chegou a carrinha vinda do forno comunitário da anexa Borralheira, lotada com as panelas repletas do caldo do forno. Feita a separação para quem queria a degustação em casa e no local, procedeu-se ao serviço dos kits.

Criar uma confraria é um dos objectivos

Ao NC, António Carriço, presidente da Junta da União de Freguesias de Teixoso/Sarzedo, acabado de ser servido, afirmava que este é um evento que teve o apoio autarquia, que tem traçado “um plano de actividades em que estão marcados eventos todos os fins-de-semana e não só”. Quanto à criação da Confraria do Caldo do Forno, adianta que já reuniu com o vereador da Câmara da Covilhã, José Oliveira, e com Francisco Santos, presidente da Adeteixo. “Falou-se do assunto, mas ainda estamos a estudar” afirma o autarca.

“Fizemos sete actividades até agora”

O NC falou com Francisco Santos, presidente da colectividade, que confirma que “falámos sobre a criação da Confraria do Caldo do Forno, mas ainda está em estudo. Criar uma confraria obedece a vários propósitos e temos que ver se é viável. Mas sim, foi pensado, mas ainda não é para este ano”.

De referir que o Caldo do Forno desta edição de 2022 foi confeccionado no Forno Comunitário da Borralheira. O responsável e cozinheiro avança que desde Fevereiro até Maio “já fizemos sete actividades. Assinalámos o Dia Mundial do Teatro, do Livro entre outros eventos. O próximo será o cinema ao ar livre, finais de Junho, princípios de Julho”.

 

Comments are closed.